Programação cultural do Centro Dragão do Mar

Programação cultural do Centro Dragão do Mar

Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.


Em abril, o Dragão do Mar completará 18 anos a serviço da democratização do acesso à arte e à cultura. Para celebrar mais um ano, o centro cultural realizará a quarta edição do Maloca Dragão, festival de artes integradas que, além de celebrar o aniversário do Dragão, festeja a efervescência da produção artística cearense, realizando uma mostra de lançamentos e estreias, seja de novos artistas e grupos ou de artistas já conhecidos com novos projetos, além de trazer atrações nacionais e internacionais. Uma das novidades da Maloca Dragão 2017 será a abertura de inscrições para interessados em trabalhar no festival. As inscrições serão realizadas somente pela internet, através do preenchimento de ficha on-line, disponível no endereço eletrônico www.malocadragao.org.br.

Em 2016, mais de cem atrações, entre espetáculos cênicos e musicais, se apresentaram em oito espaços do Festival. Cerca de 60% da programação foi composta por trabalhos selecionados do banco de dados de programação formado a partir de convite público aos artistas. No total, foram 323 projetos inéditos inscritos para o festival, dos quais foram selecionados 75, sendo 53 em música, 10 em Teatro, 01 em Circo, 06 em Literatura e 05 em Dança.  Muitos dos inscritos não selecionados na etapa foram ainda convidados para programas diversos do Dragão do Mar, tais como Praça do Rock, Pôr do Som, Dragão Blues e Fuxico no Dragão. Este ano, o Festival seguirá curando um apanhado de projetos cearenses inéditos, agora também nas categorias Culturas Populares e Arte Urbana.

Outra novidade é que, além de artistas e coletivos candidatos a compor parte da programação artística, a chamada pública da Maloca contemplará também produtores culturais, técnicos de iluminação, som, cenotecnia e roadies, que formarão um banco de dados de profissionais que poderão ser convidados a trabalhar no Maloca Dragão 2017 e em demais ações culturais do centro de arte e cultura. Os inscritos receberão qualificação gratuita através do Lab Maloca, curso de formação realizado pelo Dragão do Mar e Porto Iracema das Artes, escola de formação e criação do Ceará, ligada ao Instituto Dragão do Mar. No dia 23 de fevereiro, Dragão e Porto realizaram um encontro aberto para escuta das demandas formativas e elaboração da grade dos cursos a serem ofertados em abril próximo.

Segundo o diretor de Ação Cultural do Dragão do Mar, João Wilson Damasceno, a reciclagem do conhecimento dos profissionais técnicos da Maloca foi iniciada já em 2016, com cursos gratuitos nas áreas de Produção, Técnicas de Sonorização, Iluminação, Montagem Sub (Subs), Técnicas de Mixagem e Roadies, mas a experiência com a oferta de vagas visa tornar ainda mais democrático o processo de contratação da força de trabalho do festival, além de estimular o interesse por essas áreas que, com a expansão do mercado cultural e de entretenimento, tornam-se cada vez mais promissoras como geradoras de emprego e renda.

 

Inscrições

As inscrições na Chamada Pública do Maloca Dragão 2017 devem ser feitas exclusivamente no endereço eletrônico www.malocadragao.org.br, onde também poderá ser acessado um passo a passo da inscrição. Entretanto, para efetivar a inscrição e ter acesso ao formulário on-line, o interessado deverá, primeiramente, se cadastrar no Mapa Cultural do Ceará (http://mapa.cultura.ce.gov.br), plataforma digital que integra uma rede de agentes culturais do nosso Estado. Entre os inúmeros benefícios gerados, a participação no Mapa proporciona ao agente cultural a visibilidade aos seus trabalhos, formação de networking, o acompanhamento da agenda cultural e a consulta a outros projetos culturais.

Quem tiver dificuldade em concluir o processo de inscrição poderá participar de oficinas de orientação, nos dias 14 e 17 de março, das 14h às 18h, no auditório do Dragão do Mar. O acesso é gratuito, sem necessidade de inscrição prévia.

 

Maloca Dragão 2017

O Maloca Dragão 2017 acontecerá de 28 a 30 de abril de 2017, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e em espaços do seu entorno, com a apresentação de manifestações artísticas diversas. Chegando à sua quarta edição, o Maloca Dragão já se firmou no calendário cultural como o maior festival de artes integradas do Ceará. No ano passado, durante quatro dias, o festival recebeu mais de um milhão e meio de visitantes.

Inscrições de 6 a 20 de março de 2017, no site http://malocadragao.org.br/. Inscrições gratuitas. Mais informações: (85) 3488.8612.


► [ASTRONOMIA] NOITE DAS ESTRELAS

Todos os meses, sempre nas noites de Quarto Crescente Lunar, o planetário disponibiliza telescópios ao público em geral para observação astronômica de Crateras da Lua, Planetas, Nebulosas etc.

Dias 7 e 8 de março de 2017, das 19h às 21h, em frente ao Planetário. Acesso gratuito. Em caso de céu nublado, a atividade poderá ser interrompida ou cancelada.

  

► Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense] 
O CANTIL 10 ANOS 
Teatro Máquina


O Cantil surge de uma leitura bastante específica de "A exceção e a regra", de Bertolt Brecht, onde a palavra é suprimida para que o gesto seja enfatizado e o trabalho dos atores possa ser refuncionalizado pelo exercício de demonstração e manipulação. Trata, portanto, de uma viagem sem espaço nem tempo definidos. Dois homens seguem à procura de algo. Para o patrão, a viagem é urgente e aterradora; para o empregado, é apenas objeto de seu ganha-pão. Entre os dois, se estabelece uma relação nos extremos da desconfiança total e da pura subserviência, relação essa transfigurada pela ausência/presença do cantil.

 

Dias 7, 14, 21 e 28 de março de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação: 12 anos. 


Contato: mota.levy@gmail.com / (85) 99914.4681

 

► [FOTOGRAFIA] GOLPE DE VISTA
Tema: "A fotografia como ativismo feminino"
Convidadas: Patrícia Veloso, Marília Oliveira e Fabiane de Paula

O dia 8 de março é celebrado internacionalmente partindo de várias reflexões. A criação do Dia Internacional da Mulher reflete desde o incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas, assim como as lutas feministas ao longo do século XX.

Importante refletir que tais datas surgem sobre fatos históricos de opressão às mulheres e devem ser vistas como momento de mobilização para a conquista de mais direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado no Brasil assim como em outros países.

No Brasil, a luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970, emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher.

O termo mulher, e tudo o que implicaria ser mulher, está inserido em uma sociedade heterossexista, ou seja: a imagem dita feminina foi construída nas suas relações (de submissão, muitas vezes) com os homens. Nesta edição discutiremos sobre os desdobramentos do termo: Feminino mostrando que vai além das relações de gênero e das construções culturais.]

Dia 8 de março de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito e livre.

Contato: 988363715 - oi | 998630499 - tim (Eden Barbosa)

 

► [ESPECIAL DIA DA MULHER] TROVADORAS ITINERANTES E DAMAS CORTEJAM

 

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura apresenta uma programação especial no Dia Internacional da Mulher, com os shows Trovadoras Itinerantes e Damas Cortejam. Confira informações sobre as atrações.

TROVADORAS ITINERANTES 
Participação: Rede Mnemosine de Mulheres Cordelistas, Cantadoras e Repentistas
Grupo: Cia Catirina/Rede Mnemosine

O show Trovadoras Itinerantes traz o melhor da cultura nordestina, passeando por canções e poesias autorais do grupo e de grandes nomes da cantoria e da literatura de cordel. Também propõe feira de folhetos femininos e recital com mulheres cordelistas e cantadoras pertencentes à Rede Mnemosine, comemorando o Mês Internacional da Mulher. Os temas do recital refletem o universo feminino em diversas vertentes e abordagens política, social, cultural e filosófica, contando com a participação de autoras da literatura de cordel cearense. Após recente circulação pela França, as Trovadoras Itinerantes revelam o imaginário popular nordestino sob o olhar feminino de modo emocionante e interativo.

 

Sobre a Rede Mnemosine

A Rede Mnemosine é um movimento nacional de valorização da produção feminina na cultura popular, especialmente voltado às artes da literatura de cordel, gravura e cantoria. Mais de dez estados e 200 mulheres fazem parte da rede, que também possui uma editora de folhetos femininos exclusivos. Parceira das ações da ONU e premiada em 2016 pelo 8o. Prêmio Viva Leitura do MinC.

Trovadoras Itinerantes - www.trovadorasitinerantes.blogspot.com 
Facebook: https://www.facebook.com/trovadorasitinerantes/?fref=ts
Rede Mnemosine - https://www.facebook.com/redemnemosine/?fref=ts
Todas as informações em: www.redemnemosine.blogspot.com

Créditos das fotos: Tim Oliveira e Marcelo Paes de Carvalho

 

Contato: Josy Correia (99809-6364 / ciacatirina@gmail.com)


+

DAMAS CORTEJAM


O projeto "Damas Cortejam", grupo percussivo feminista, nasce trazendo em sua essência duas expressões da palavra "cortejo": como ato de cortejar, "galantear"; mas também como nome que costuma se dar ao movimento realizado por caravanas musicais, compostas por instrumentistas que se deslocam tocando e cantando, principalmente pelas ruas. Ambos os significados trazem de maneira forte marcas do lugar da mulher contemporânea, que em contrapartida a tempos passados e em contraste com a expressão, tão rebuscada, " dama", assume papéis e atividades das mais diversas, além de poder posicionar-se de forma mais ativa. Hoje as mulheres ocupam "a rua" e os palcos. Hoje, "AS DAMAS TAMBÉM CORTEJAM".

O título atribuído à apresentação, "AS DAMAS TAMBÉM CORTEJAM"!, também possui consonância com as ideias que perpassam toda a constituição do projeto, trazendo de forma lúdica e provocativa o lugar atual da mulher na sociedade e no campo da arte. O show, conduzido por uma "caravana" composta em sua totalidade por mulheres, promete jogar com essas ideias, de forma descontraída na execução de cada música.

Quanto ao repertório, o espetáculo contempla músicas populares brasileiras, percorrendo desde seu estilo mais clássico até o regional, passando também pelo movimento conhecido como Tropicália. A ideia é de executar prioritariamente este estilo musical (MPB), porém adaptando-o a ritmos percussivos. O repertório inclui também, ainda que em menor escala e, como os demais, adaptados para a versão percussiva, gêneros musicais como o brega, o rock, o samba e de outros movimentos, como a Bossa Nova.

Desde 2012, "as damas" vêm ensaiando e montando repertório, em encontros bastantes produtivos, onde cada uma contribui com suas experiências anteriores, ou mesmo paralelas, em outros projetos e bandas. Todo processo criativo do grupo é construído de forma democrática e aberta, compondo um projeto que traz como traços mais marcantes a sensibilidade feminina, a força da batida percussiva e, principalmente, a riqueza da diversidade da Música Popular Brasileira.

 

Contato: Fernanda Farias (85 985162126 / damascortejam@gmail.com)

Dia 8 de março de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito. Classificação livre.

 

► Espetáculos circenses [Temporada de Arte Cearense]

CABARÉ DA DESGRAÇA
Cia As 10 Graças de Palhaçaria

 

São Crisóstomo declara de saída que as burlas e o riso não provêm de Deus, mas são uma emanação do diabo e nós, humanos, somos tonéis mal ajustados prestes a explodir, pois estamos sempre na incessante fermentação da piedade e do temor divino. O riso! Não é uma brincadeira e não temos a menor intenção de renunciar a ele. O Cabaré da Desgraça é um convite à libertinagem e aos excessos. Exceder, transgredir e deformar estão na ordem do espetáculo, uma variedade de números e absurdos onde celebramos o inacabado, a mudança e a vida, pois o que importa é o agora!

 

Dias 8, 15, 22 e 29 de março de 2017, às 20h, no Teatro do Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Classificação: 18 anos.

Contato: David Santos (85) 99655-9365 / ds_correia@hotmail.com

 

►Nas Ruas do Dragão [Temporada de Arte Cearense]

A SAGA DE JESUS CRISTO

Cia Epidemia de Bonecos

 

Zé Cariri e Matusalém apresentam uma história que mostra os momentos significativos da vida de Jesus: no deserto, Jesus é tentado pelo demônio. Encontra seus discípulos e outros seguidores. Enquanto acontece o sermão da montanha, os homens sábios da Galileia estranham o poder que aquele homem tinha, arrastando multidões com suas palavras. Após a festejada entrada de Jesus em Jerusalém, é chegada a hora da santa ceia. Enquanto isso, Judas conspira contra Jesus. E no monte das oliveiras acontece à sua prisão... Ele é espancado e morto. Depois, ressuscita e sobe ao céu.

 

Dias 9, 16, 23 e 30 de março de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito. Classificação livre.

 Contato: Izabel izabellpin@outlook.com / (85) 99909-1913

 

► Quinta com Dança Experimental [Temporada de Arte Cearense]

UM CORPO JOGADO AO MAR

Bruno Gomes

 

Uma queda brusca de um corpo em médio transe rasga o espaço, desloca-se. Encarnado na figura de uma deusa. Deusa mostra. Deusa e Diabo. Grito seco, grito mudo de uma mãe oceano. O mar como testemunha de um ato brutal e como território para este acontecimento, entre a realidade e o que se pode inventar. O mar dorme fiel, sobre seus túmulos. A deusa faz a terra cantar! Ela faz a terra ranger os dentes! Olhem para o seu quadril de lá saem o céu e o inferno.

Contato: Bruno (88) 99994-2219 / brunno.hmr@gmail.com

+

► Quinta com Dança [Temporada de Arte Cearense]

ANATOMIA DAS COISAS ENCALHADAS

Silvia Moura

A relação com o descartável. Através do uso, da manipulação dos objetos fazemos uma análise das nossas relações pessoas. Em cena a trajetória de cada um na luta pela convivência com o outro. Uma busca pelo entendimento das relações como modo de operar a vida, um chamado a observação do consumo desenfreado de objetos e ao uso das pessoas com parte de uma cadeia de consumo.

Contato: Silvia (85) 98851-8806 / emcrise@hotmail.com

 

Dias 9, 16, 23 e 30 de março de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação: livre.

 

► Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]

A MENINA DOS BRINCOS DE OURO

Paula Yemanjá e Edivaldo Batista

 

Baseado no conto homônimo de Câmara Cascudo, os atores contam a história de Maria do Socorro, filha de lavadeira e que sonha em ser cantora. Sua vida muda quando é raptada por Venâncio, homem sem escrúpulos, que obriga a menina a cantar em troca do seu belo par de brincos de ouro. A peça é o segundo trabalho da parceria de Paula Yemanjá e Edvaldo Batista. Os atores se dedicam à pesquisa sobre linguagem teatral para crianças e sua possibilidade de conexão com o teatro contemporâneo.

 Dias 11, 12, 18 e 19 de março de 2017, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação livre.

 Contato: Paula Yemanjá pyemanja@yahoo.com.br / (85) 99628-4340

 

► Varieté [Temporada de Arte Cearense]

O SINAL

Gleilton Silva
Dia 12 de março de 2017, às 16h30, na Praça Verde. Classificação: livre.

 Contato: Gleiton (85) 98690-0037 / grupoterua@gmail.com

 

► Nas Ruas do Dragão [Temporada de Arte Cearense]

CH@FURDO

Dona Zefinha

 

Em Ch@furdo, três irmãos se reúnem para realizar uma apresentação musical improvisada com a maioria dos instrumentos feitos de materiais alternativos. Ao longo do espetáculo, vão descobrindo, junto do público, diversas formas de composição musical. O irmão mais velho tenta, a todo o momento, reger e organizar a apresentação, façanha que se torna difícil uma vez que o irmão mais novo sempre se desconcentra, atrapalhando os números e deixando o irmão do meio entre a obrigação e a brincadeira. Chafurdo - que significa caos descontrole, algazarra e festa - é o que proporciona os musicômicos Orlângelo Leal, Ângelo Márcio e Paulo Orlando, provocando o público com música excêntrica e outras surpresas. Um espetáculo livre para todos os públicos.

 

Dias 12, 19 e 26 de março de 2017, às 17h, na Praça Verde. Acesso gratuito. Classificação: livre.

 

Contato: Paulo Orlando (88) 98811-1628 / paulo.orlando@yahoo.com.br

 

 

// TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR

 

Feira Dragão Arte

Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.

Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D'Água. Acesso gratuito.

 

Planeta Hip Hop

Grupos promovem exibições de dança e música hip hop.

Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

Brincando e Pintando no Dragão do Mar

Brincadeiras e atividades infantis orientadas por monitores animam a criançada na Praça Verde.

Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

 

Fuxico no Dragão

Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia agitam as tardes de domingo.

Todos os domingos, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

// PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO

 

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura informa que o Planetário Rubens de Azevedo passa por manutenção corretiva. Está, portanto, temporariamente fechado para atendimento ao público.

 

// EXPOSIÇÕES

 

► Raimundo Cela - Um mestre brasileiro

Curadoria: Denise Mattar

 

O advento do Modernismo no Brasil, em 1922, e sua implantação, até o final dos anos 1940, foram responsáveis pela depreciação dos artistas formados em bases acadêmicas. Nessa zona de esquecimento permaneceram, por décadas, excelentes pintores como Eliseu Visconti, Lucílio Albuquerque e Antônio Parreiras. Se isso ocorreu com pintores do eixo Rio-São Paulo, o que dizer de um artista de origem acadêmica que optou por viver e pintar sua terra natal, o Ceará? Essa miopia, finalmente, começa a ser desconsiderada pela crítica, abrindo espaço para a descoberta de grandes talentos esquecidos, como o pintor Raimundo Cela, cuja itinerância Raimundo Cela - Um mestre brasileiro chega no dia 17 de janeiro ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, depois de passar pelo Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado - MAB FAAP e pelo Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro. A mostra, com curadoria de Denise Mattar, tem idealização da Galeria Almeida e Dale e patrocínio da MINALBA.

 

A retrospectiva, sucesso de público nas duas capitais, cumprindo sua missão de apresentar aos paulistanos e cariocas a obra do artista, abarca sua trajetória a partir de momentos-chave: o prêmio da Escola Nacional de Belas Artes, a viagem à Europa, o retorno a Camocim, a mudança para Fortaleza e a volta ao Rio de Janeiro. Desenhos, gravuras, aquarelas e pinturas, de todas essas fases, permitem compreender o seu processo criativo.

 

Segundo a curadora da mostra, Denise Mattar, Raimundo Cela é um dos principais criadores da visualidade cearense, ao destacar em sua obra pescadores e jangadeiros e a intensa luz das praias cearenses e as nuvens rosadas do céu equatorial. "Cela descartou a representação do nordestino como o sertanejo miserável e faminto, para mostrar o trabalhador forte e decidido do litoral. Suas composições, minuciosamente construídas, são plenas de ritmo e emoção. Elas reúnem a precisão do engenheiro à sensibilidade do artista, o épico ao cotidiano, a precisão do desenho à energia da cor", afirma.

 

A exposição reúne obras do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, do Instituto Dragão do Mar, do Palácio da Abolição, do Palácio Iracema, em Fortaleza, e do próprio Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro, além de 15 coleções particulares de Fortaleza, Rio e São Paulo. Em contribuição à preservação da memória do artista e de sua obra, o projeto realizou o restauro de quatro obras que serão exibidas ao público pela primeira vez: Rendeira (1931, óleo sobre madeira, 32 x 40,5 cm); Cabeça de vaqueiro (1931, óleo sobre madeira, 38 x 46 cm) e Cabeça de Jangadeiro (1933, óleo sobre madeira, 38 x 46 cm) e Catequese (Óleo sobre tela 190 x 200 cm).

 

A mostra abre com desenhos e óleos de seus primeiros trabalhos, marcados pela influência do academicismo, ou seja, obras determinadas pelo perfeito domínio da técnica clássica, na composição de telas figurativas, evocações à Antiguidade Clássica e à paisagem brasileira. Nesse setor, destaca-se, entre outras, o Último diálogo de Sócrates (1917), obra premiada pela Escola Nacional de Belas Artes com uma viagem ao exterior.

 

Por causa da Primeira Guerra, a viagem acontece apenas em 1920, justamente o princípio dos anos loucos da capital francesa, onde Cela dedica-se aos estudos da gravura em metal, dando uma nova perspectiva à sua obra, não apenas na técnica, como também na temática. Ao longo dos anos em que permanece na Europa, como o público verá na exposição, seus desenhos, óleos e gravuras retratam cenas da paisagem francesa, como na tela Paisagem de Saint-Agrève (1921), e da realidade parisiense e de seus tipos, em estudos de nus e nos desenhos Ferreiro e Funileiro (1921).

 

Seus trabalhos despertam atenção da crítica parisiense e ele tem obras selecionadas para o Salon des Artistes Français. Nesse momento o artista sofre um AVC que o impede de pintar. Retornando ao Brasil, reside em Camocim e fica sete anos sem pintar. Volta a fazê-lo em 1929 e já realizando a temática que será a sua marca.

 

Um dos grandes destaques da exposição e da obra de Cela, o painel Abolição (1938), estará reproduzido em suas dimensões originais. Primeiro estado brasileiro a abolir a escravatura, em 25 de Março de 1884, o Ceará, terra-natal de Cela, encomenda a ele, em 1938, um painel que simbolize o momento histórico tão marcante para o Ceará e para o Brasil.

 

Raimundo Cela, sendo um moderno, nunca foi um modernista. O valor da arte de Raimundo Cela deve-se ao fato de ter sido concebida à margem das escolas, de não ter sido contaminada pelos modismos passageiros.

 

Nas palavras de Cláudio Valério Teixeira (artista plástico, restaurador e crítico de arte): "Na obra de Cela nada é inocência, tudo é fruto de planejamento, economia e técnica. Mas tudo é também movimento, força, agilidade e graça. Sua arte não procura simplesmente imitar as coisas representadas, é de uma beleza solene, meio melancólica, mas luminosa".

 

O pintor, após um período em Fortaleza, retornou ao Rio de Janeiro em 1945. Tornou-se professor de gravura em metal da Escola Nacional de Belas Artes, cargo que ocuparia até a sua morte, em 1954. Nesta última fase da carreira, Cela foi duas vezes premiado com a medalha de ouro do Salão Nacional de Belas Artes.

 

Em cartaz até dia 26 de março de 2017, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE. Visitação: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até das 20h30). Gratuito.

 

 

► A Arte da Lembrança - A Saudade na Fotografia Brasileira

 

A partir de 18 de janeiro (quarta-feira), o Itaú Cultural e o Museu de Arte Contemporânea do Ceará - Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura abrem para visitação a exposição A Arte da Lembrança - A Saudade na Fotografia Brasileira. Dois dias antes (segunda-feira 16, às 19h), é realizada uma mesa com o curador da mostra Diógenes Moura e o fotógrafo cearense Tiago Santana sobre os 10 anos de pesquisa que culminaram nessa exposição e o trabalho do fotógrafo, voltado para a arte e a religiosidade.

 

Em cartaz até 26 de março, A Arte da Lembrança perfaz um percurso iconográfico deste sentimento pessoal e universal, a saudade, registrado nos trabalhos em exibição em um arco de 80 anos, a partir da década de 1930, nos estados da Bahia, Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. A mostra reúne 123 imagens de 36 artistas brasileiros, ou residentes no país, em variados estilos e linguagens. São nomes de representatividade na produção fotográfica do Brasil, como Alcir Lacerda, Alberto Ferreira, Irene Almeida, Luiz Braga, Gilvan Barreto, Paula Sampaio e o cearense Márcio Távora.

 

Além da curadoria de Moura, a exposição tem pesquisa de Samuel de Jesus e projeto expográfico de Henrique Idoeta Soares e Érica Pedrosa, do Núcleo de Produção do Itaú Cultural. Ela chega a Fortaleza, seguindo uma itinerância iniciada em São Paulo, com passagens posteriores por Belém e Salvador.

 

"A Arte da Lembrança convida o espectador a iniciar um percurso singular em um espaço de associação de ideias onde se juntam as experiências sensíveis que detemos do mundo", observa o curador. Pernambucano, poeta, fotógrafo e ex-curador de fotografia da Pinacoteca do Estado de São Paulo, ele ganhou, em 2014 o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pela exposição Retumbante Natureza Humanizada, realizada no Sesc Pinheiros com fotos de Luiz Braga, um dos participantes desta mostra.

 

Para Moura, a tradução de saudade vibra nas imagens selecionadas para esta exposição. "Nos rostos anônimos oferecidos ao passante curioso, dispostos no cenário improvisado de um fotógrafo popular", diz complementando: "No desvio de uma rua, ou no meio da praça pública, percebemos a estranha sensação do seu limiar imagético."

 

Até chegar ao conjunto de obras a serem exibidas, ele fez uma extensa pesquisa em todo o país em acervos particulares e instituições públicas. Reuniu cópias de época e ampliações únicas em pigmento mineral sobre papel algodão, entre outras, tanto em P&B quanto em cor e videoprojeções. No Dragão do Mar, a montagem ocupa todo o primeiro subsolo, com seis diferentes temáticas. Entre elas, o mar, a cidade das décadas de 1940 a 1960 e a morte - esta, abordada não só do ponto de vista humano, mas também material, mostrando o abandono de diferentes espaços.

 

Para citar algumas das obras, encontra-se neste percurso fotos de ambientes desolados, que denotam as marcas recentes da passagem de alguém, feitas pelo cearense Márcio Távora em 2011; Alberto Ferreira retrata em três fotos a construção de Brasília. Rastros de uma família e suas sutis tradições impressas em detalhes são fotografadas pelo premiado fotógrafo oriundo do Pará, Luiz Braga. Vê-se ainda o piso que restou de uma casa destruída no interior do Pernambuco, clicada por Gilvan Barreto em 2011; uma mulher consultando seu relógio, entre outras, diante do cinema na Cinelândia, no Rio de Janeiro, feita por Kurt Klagsbrunn no final da década de 40. Conte-se aqui também as videoprojeções Vazio, realizada por Alberto Bittar, em 2012, e Sonoro Diamante Negro, do ano de 2014, de Suely Nascimento.

 

Há ainda nove obras pertencentes ao acervo do Itaú Cultural e outras quatro fotos selecionadas pelo curador durante a pesquisa para a exposição, exibidas em formato de vídeo-projeção. Elas remontam ao início do movimento modernista na fotografia nacional, nos anos 1940, de autoria de German Lorca, José Oiticica Filho, Ademar Manarini, José Yalenti, Julio Agostinelli e de dois estrangeiros residentes no país, o letão Alexandre Berzin e o austríacoKurt Klagsbrunn. Neste espaço ainda há trabalhos de Luciano Andrade, nascido em 1950, na Bahia, cujo olhar contemporâneo dialoga com o dos demais artistas.

 

Como escreve o curador, são, enfim, registros das cidades e suas demolições, da perda das paredes do tempo, de objetos vazios à mercê da poeira do passado; da ausência e morte de entes queridos por alguém.

 

Em cartaz até dia 26 de março de 2017, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Visitação: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

► Exposição "Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual" [Salas 3 e 4]

 

Reúne uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.

 

Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. "Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final", define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.

 

Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

 

Instalação de Bosco Lisboa

Em julho, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.

 

Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif's (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

 

Acessibilidade

Essa exposição oferece recursos acessíveis para proporcionar autonomia ao público. Disponibilizamos: textos em Braille, textos com letras ampliadas, peças que podem ser tocadas, vídeo de Libras e mediação especializada

 

Em cartaz até 31 de março de 2017, no Piso Intermediário do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

► Exposição "Narrativas e Alteridade - O outro de nós" [Encontros de Agosto 2016]

 

A partir do tema "Narrativas e Alteridade", o festival Encontros de Agosto 2016 propôs que fotógrafos dos nove estados do Nordeste fossem além das próprias fronteiras, trazendo e potencializando imagens de lugares e sujeitos imaginados. O público poderá contemplar na exposição questões universais a partir das realidades locais, percebendo aproximações e diferenças.

 

Esta exposição é composta de mostras coletivas de fotógrafos cearenses e dos demais estados do Nordeste. "As narrativas visuais têm como fundamento a alteridade, traduzida e discutida pelo olhar de 54 fotógrafos, sendo 23 deles cearenses. É uma oportunidade única dos espectadores verem essa rica produção nordestina em um só local. São mais de 300 fotos", explica a coordenadora geral do evento, Patricia Veloso.

 

Os intercâmbios abrem canais de comunicação para circuitos nacionais e internacionais. Após a exibição no Ceará, as mostras serão adequadas para uma exposição itinerante. Mais sobre o Encontros de Agosto: www.encontrosdeagosto.com.

 

Em cartaz até 31 de março de 2017, no Piso Superior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

 

► Exposição Vaqueiros [Mostra Permanente]

 

Em exibição no Museu da Cultura Cearense desde 1998, a Exposição Vaqueiros arrebata o público que nela identifica traços de sua cultura e costumes. A exposição ao longo dos anos enriquece os saberes, instiga reflexões, desperta emoções. Nela revelam-se inúmeros elementos que possibilitam rememorar e reconstruir o que se compreende como o universo sertanejo.

 

Na exposição, você conhecerá o vaqueiro como profissional, sertanejo, trabalhador, conhecedor de inúmeras funções e do meio em que habita, capaz de inúmeros feitos, viajará pelas humildes manifestações do cotidiano, religiosidade e festividades e testemunhará particularidades como a habilidade com o artesanato do couro, as práticas da derrubada e da cria do gado, dentre outras.

 

No Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

FUNCIONAMENTO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

 

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.

Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.

Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.


 

 


Comentários

blog comments powered by Disqus